21 de setembro de 2017

Convite para um anjo

Foto: Karla Vidal


Como devo me sentir ao chegar perto dele:
Anjo que me entrega a um espelho-bomba
E reduz minhas cinzas a coração?

Tenho aprendido a saber quase nada sobre ele
Só não entendo por que quanto menos sei
Mais bonito ele se torna pra mim

Por que ele finge que não quer que eu seja seu humano da guarda?
Vou abrir uma oficina de segredos e ele será cliente exclusivo
Se me deixar fazer das suas asas cobertor
Nas noites frias de sua cidade distante

Quando o vejo, o ar se enche de estilhaços de canções de A-HA
Gosto de pegar emprestado flechas de sua lua tímida
E raios de seu sol falante


Aceite meu convite para fazer parte da festa de sua existência

13 de setembro de 2017

Versos de um convite

Foto: Karla Vidal



Estou pronto para ex-calar um arranha-céu até o grito
E, ficar na ponta dos pés, esticar-me rumo a um novo primeiro beijo
Que apagará a constelação da indiferença: estrela solitária que acredita
Ser miríade

Mesmo que os bastidores sejam cheios de riso, rumor e espinho
Meu segredo segue confiante, ofuscando baixinho a ribalta

Basta de dor: foi a conclusão a que cheguei quando minha astronave fusca
Aterrissou no céu moreno do teu olhar humano

Meu eu ridículo encheu-se de abraço
E meu corpo, onde for tocado, derramará música com sabor de tamarindo

Tomara que a sede de quem, sem perceber, varreu eclipses, para se aproximar de mim
Aceite o convite do meu deserto
E celebre comigo um Feliz Oceano Novo

Dessa vez, estou preparado pra amar e sentir que o prazer da tua companhia
É mais importante que qualquer hora extra, do ordinário tempo

Porém, o mais importante que o novo amor me traz

É o prazer de descobrir como é bom estar de volta em mim mesmo, mesmo que seja de mansinho

Meu mim mesmo te estende a mão

Pode me chamar pelo zap, de madrugada, se o pneu do teu cometa furar
Ou simplesmente se quiser trocar silêncios por carinho

4 de setembro de 2017

O blog Acedia comemora sete anos com a marca de 100 mil views

Arte: Pipa Comunicação

O blog Acedia está completando sete anos de existência e atinge a marca de 100 mil visualizações.

Considero este número emblemático, tendo em vista que, nesses "tempos de McDonald's", expressão utilizada pelo cineasta alemão Win Wenders para designar a contemporaneidade, um espaço reservado a filosofia e poesia parece não ser um prato tão apetitoso.

Mas, talvez isso seja preconceito meu.

É perceptível que o Acedia costuma fugir de sua proposta inicial de trazer recortes filosóficos da mídia.

Crônicas, poemas e outros gêneros textuais entraram clandestinamente nessas paragens.

Ou talvez não tenha havido fuga porque o que há de mais filosófico do que o pensamento clandestino?

Muita gente ainda me pergunta se sou um assediador por escrever num blog chamado Acedia.

Mais uma vez respondo: Assédio é com dois ss e Acedia é com c.

Acedia é, resumidamente, a indolência do espírito: algum lugar entre a preguiça e a letargia.

Há também os que pensam que por me propor a refletir sobre o potencial estético da melancolia sou depressivo.

Quem pensa assim, lasque-se.

Mas, é exatamente o oposto. A reflexão sobre o caráter estético da tristeza a torna impotente.

Por isso a poesia é tão presente nesse espaço. O simples fato de tratar poeticamente a tristeza, o amor e a alegria já liberam destes sentimentos carga emocional, ajudando o coração, a mente e o espírito a se reoxigenarem.

Tem algo aí da proposta do Aikido. Redirecionar a energia, em vez de fingir que ela não existe enquanto ela te devora interiormente.

Obrigado a todos que dedicaram alguns minutos de sua existência catando estilhaços desse coraçãozinho de poeta.




Sobre o não, que é garantido, e o silêncio, que também é resposta - Parte 1


Foto: Clécio Vidal

Ouço em todas as frequências radiofônicas que não se deve
Ter medo de falar o que se sente porque o não é garantido,
E o sim uma possibilidade que não deve ser desacatada.

Quero saber onde
Está atracado o sim que teu corpo sem porto e sem fronteiras
Silencia.

O Não é tão incisivo: zune como uma espada cortando um ponto final
Ou como um sopro derrubando uma muralha de ar, que perdeu o fòlego


Não consigo compreender o adágio “Silêncio também é resposta”.

O silêncio transforma o verbo responder em respondoer 
Mas, o direito de silenciar é sagrado: talvez seja a mais refinada manifestação
Da liberdade de expressão.

Existem, contudo e com nada, dois tipos de silêncio:

O silêncio de quem se rende ao sublime: margem onde só resta ao mar da palavra recuar

O silêncio que tenta ser metáfora da inexistência, da invisibilidade, da indiferença: rio de Eu-te-amos que corre de trás pra frente, jogando em cima
Do tempo a responsabilidade de transformar a nascente em morrente.


Me sinto capaz de dividir a cama com teus atraentes talvezes


Pero, queria ter coragem de ter medo dos meus sins e nãos, 
Mas, não tenho


Tenho, na verdade, medo de não falar  
E perder a hora de embarque no teu sim 
Ou de falar/saltar e descobrir que teu não é meu paraquedas 
E que não terei chance de cair no teu abraço.

29 de agosto de 2017

Bolsonaro também perseguirá os heteros


Chainless Photography via Visual Hunt / CC BY-SA



Uma parcela daqueles que se entendem como heterossexuais - ou, melhor dizendo, os heteronormativos - acham que estão livres da perseguição e do preconceito. Como se os gays sempre fossem os “outros”.

Nas rodas de conversas, os heteronormativos chamam a si mesmos pelo nome, mas apagam o nome dos homossexuais, que são reduzidos a uma categoria, sendo-lhes retirada individualidade.

O dilema da transexual Ivana, da novela A Força do Querer, ilustra essa tendência. Boa parte do sofrimento da jovem se deve ao fato de viver cercada por pessoas que, a fina força, querem fazer coincidir gênero e sexualidade, anulando as identidades complexas que se erguem nessa tensa fronteira.

A heteronormatividade comete o erro de achar que o fato de ser homossexual proíbe o ser humano de ser indivíduo dotado de particularidade e personalidade.  Daí, o entendimento de que todo homossexual que não se encaixa na forma de estereótipos é um enrustido ou um embusteiro.

Muitos têm se prostrado diante das ideias de Jair Bolsonaro, chorando nostalgicamente pelo retorno de uma era ideal – que nunca existiu – ondeseria possível distinguir, com exatidão, as fronteiras entre masculino e feminino, paralisando o complexo diálogo entre Yin e Yang.

Mas, a ideologia bolsonariana em sua busca pelo modelo ideal de homem vai produzir um efeito semelhante ao do conto O Alienista, de Machado de Assis, onde o personagem-título, de tanto enxergar loucura em todos que o cercam, acaba chegando â conclusão de que o único louco era ele mesmo.

A ideologia bolsonariana assim como rebaixa os homossexuais terminará criando subcategorias de heterossexuais, que também serão vítimas de discriminação.

Assim, poderão ser discriminados e tachados de enrustidos, por exemplo, os heterossexuais engomadinhos e perfumados; Ou talvez os heterossexuais que fazem da academia um templo de culto ao corpo.

Afinal, o ideal bolsonariano só chega ao orgasmo quando coloca todos sob suspeita. Ser homossexual assumido é, na visão à Bolsonaro, um crime. Porém, ter comportamentos que fazem a pessoa suspeita de não ser heterossexual é, no código penal bolsonariano, um crime qualificado e com motivação torpe.

Se, Deus nos livre, a ideologia bolsonariana triunfar, não vai adiantar sair por aí dizendo que come buceta para escapar da estigmatização. Isso porque, como nos lembra o canto traidor de Ossanha,  “aquele que diz sou não é”.

O Governo bolsonariano vai estabelecer uma hierarquia de castas de heterossexuais, conforme supostamente o heterossexual esteja ou não afastado do “vírus” da homossexualidade.

E, no fim, talvez Bolsonaro descubra que até mesmo ele é um heterossexual sob suspeita.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...